A emocionante visão da Mars Express sobre o futuro dos robôs foi inspirada no filme noir e na Big Tech.

by Marcos Paulo Vilela
A emocionante visão da Mars Express sobre o futuro dos robôs foi inspirada no filme noir e na Big Tech.


Marte Expresso é o melhor filme de animação do ano que você provavelmente ainda não viu ou ouviu falar. O filme se passa no século XXII. O filme segue uma dupla de investigadores particulares em Marte que são contratados para rastrear um hacker esquivo na Terra que invade robôs. A investigação deles rapidamente avança para outra dimensão quando o desaparecimento de um estudante universitário os coloca no rastro de uma conspiração que ameaça derrubar a civilização humana e robótica como eles a conhecem.

Jeremy Perin é um animador francês, mais conhecido por dirigir a série de televisão de 2016. Último homembem como vários videoclipes viralmente populares (e decididamente NSFW) de artistas de dança eletrônica como DyE e Lionel Flairs. Marte Expressoseu primeiro longa, destaca-se não apenas em sua própria obra, mas na indústria de animação francesa como um todo: é uma história policial sólida e dura ambientada em um universo cujo tom e estrutura parecem estar em dívida com os clássicos noir de outrora, embora transportado para uma visão de tempos distantes no futuro.

Polygon teve a oportunidade de conversar com Perin sobre a criação Marte Expressoque foi lançado em VOD esta semana, sua inspiração na animação japonesa e no cinema clássico e sua abordagem aos designs bizarros dos personagens robóticos e tecno-orgânicos do filme.

Esta entrevista foi levemente editada para maior extensão e clareza.


Polígono: Marte Expresso tem muitas reviravoltas diferentes em sua história. Houve alguma história de detetive ou filme que o inspirou? Quais são seus enigmas favoritos?

Jeremy Perin: (Para) meus favoritos, trabalhamos na análise deles, principalmente nos aspectos narrativos para escrever o roteiro. Esses filmes foram Chinatown, Longo adeus, Beije-me até a morte, À queima-roupa. Esses filmes, histórias clássicas de detetive, noir. Eu realmente pensei que isso é algo que não temos mais no cinema, nem tanto. Sob o Lago Prateado Também pode ser um filme nesta área, mas não é propriamente um PI (filme). É mais um neo-noir.

Imagem: Imagens Paramount

Eu realmente queria voltar para aquela figura de detetive particular. Mas eu percebi (enquanto trabalhava em Marte Expresso), eles são homens o tempo todo. E eu pensei: E se colocarmos uma mulher (no papel) para ver se há alguma diferença? E o fato é que não houve muita diferença, exceto pela (falta de) algumas figuras clássicas, como a femme fatale. Não havia motivo para usarmos tal personagem, mas essas inspirações e referências estavam na minha cabeça.

Houve outras menções também. Eu realmente gosto (…) Três dias do Condor, Todos os homens do presidente, Visualização paralaxe, Soprar(e Francis Ford Coppola) Falar. Aqueles filmes em que alguém percebe que está dentro de uma conspiração e que tudo é grande demais para ele.

A influência da animação japonesa é muito perceptível em Marte Expresso, principalmente na forma como os personagens se movimentam e nas grandes cenas de luta no final. Como diretor francês, como você acha que a animação japonesa difere da animação francesa e como a animação japonesa inspirou seu trabalho? Marte Expresso?

As práticas de animação japonesa e francesa diferem em alguns detalhes específicos, mas são importantes, especialmente em relação à layouts (uma visualização mais detalhada de um storyboard que ajuda os animadores a planejar e visualizar o movimento de uma cena ou sequência antes de animá-la). No Japão, os animadores fazem seus próprios layouts, poses e animações. Eles são responsáveis ​​pela consistência completa. Na França a situação está mais dividida entre as diferentes seleções. Existe uma equipe de layout, existe uma equipe de animação e assim por diante. Até a forma como a animação é renderizada é diferente no Japão e na França.

Uma mulher com cabelo loiro claro se esconde atrás de um carro com uma pequena arma futurista no Mars Express.

Imagem: Todos no convés/GKIDS

Mas, como espectador, assistia muitas animações japonesas quando criança e ainda hoje continuo assistindo o que elas fazem. Rapidamente percebi que eles não tinham o mesmo orçamento da animação americana ou mesmo de alguma animação francesa. É estranho porque sinto que a animação deles tem menos desenho, mas ao mesmo tempo sinto que eles têm mais impacto em mim. A sensação de enquadramento e tudo mais para mim é mais forte do que nos filmes da Disney, (onde) a animação é muito mais suave (e) está em movimento o tempo todo. (…) A animação japonesa, na minha opinião, pode ser muito impressionante e mais cinematográfica porque é muito eficiente naquilo que faz (como desenhar) mas também mais eficiente (na) edição, encenação e profundidade. tiros.

Nos primórdios da animação japonesa, a ação podia passar do primeiro plano para o fundo e vice-versa, criando um efeito “uau”. Na animação mais ocidental, era mais como teatro, mais como 2D: você tinha que ver o personagem principal (na tela) da cabeça aos pés e coisas assim. (…) Na minha opinião, todas essas ideias vieram deles para compensar o orçamento e o fato de saberem que não poderiam desenhar tanto quanto o estúdio (filme) Disney. Mas aos poucos tornou-se um estilo e uma forma de contar as nossas próprias histórias. Tornou-se uma linguagem própria e, de facto, ainda continua a ser a linguagem do cinema. Eles também se inspiraram em apresentações ao vivo. Como observador de filmes, adoro ação ao vivo tanto quanto adoro animação. Então a animação japonesa e (filmes de ficção) foram uma grande influência para mim.

Ao longo do filme, vemos muito da aparência de uma sociedade humano-robô em Marte, mas temos um vislumbre de novos tipos de máquinas e armas orgânicas sendo criadas por Royjacker, o antagonista do filme. Qual foi sua inspiração ao criar a aparência dessas criaturas?

Não sei se é verdade ou não, mas ouvi dizer que o Google está trabalhando em células da pele (tecnologia) e coisas assim. Pensei: “Por que uma sociedade tão tecnológica funcionaria com células?” E isso me fez pensar que as novas tecnologias fecharão o círculo (no futuro). Você sabe, depois de fazer os robôs parecerem humanos de uma forma sintética com plástico e metal, o próximo passo é voltar aos orgânicos como nós. Eles estão cada vez mais perto de nós, mas ao mesmo tempo são monstros.

Um grande monstro orgânico com quatro pernas grandes, dois braços atiradores e uma cauda de cobra, parado em uma clareira na floresta na frente de uma mulher e um robô no Mars Express.

Imagem: Todos no convés/GKIDS

É também uma forma de zombar da corrida para criar um novo produto. Tipo, você tem um iPhone e todo ano é lançado um novo iPhone. (…) Queríamos brincar sobre isso, tipo, precisamos mesmo de um iPhone novo todo ano? (ri) Foi uma forma de rir e falar sobre obsolescência planejada, já que é isso que acontece com os robôs do filme.

Carlos, o andróide parceiro da protagonista do filme, Alina, é um dos personagens mais trágicos e charmosos do filme. Ele é a consciência de um morto ressuscitado dentro de uma máquina, tentando manter a vida que continua sem ele. O que o inspirou a criar esse personagem que atravessa a linha entre o homem e a máquina?

Sim, ele mesmo não sabe. Essa ideia surgiu por causa da história que estávamos construindo passo a passo junto com Laurent Sarfati, meu coautor. Naquela época tínhamos apenas um personagem principal, mas aos poucos percebemos que a história seria sobre a libertação dos robôs. Num certo sentido, esta é a sua revolução e o facto de estarem (se libertando) das pessoas.

Um robô com cabeça holográfica e uma mulher com casaco amarelo estão no bar do Mars Express.

Imagem: Todos no convés/GKIDS

Sabíamos que não queríamos fazer uma revolução violenta como na Exterminador do Futuro quando os robôs simplesmente dizem: “Vamos matar todas as pessoas”. Pensamos: isso já foi feito, então vamos tentar outra coisa. Por razões óbvias, pensamos que as máquinas seriam capazes de viajar mais no espaço, e por isso pensamos no final bem cedo. Nós (pensamos) que deveríamos ter um personagem que fizesse a transição do ponto de vista humano, do ponto de vista humano, para o ponto de vista do robô e acompanhasse o público até o fim. Pensando nisso nasceu Carlos. Precisávamos desse personagem (humano e robô) simplesmente para ajudar o público a entender os robôs. No final não os seguimos completamente, mas precisávamos do interior (perspectiva) do final.

A animação para adultos não é algo que o público normalmente vê na animação francesa, especialmente na ficção científica original desta escala e qualidade. Você acredita nisso Marte Expresso abrirá a porta para os animadores franceses criarem histórias mais maduras, e você se vê trabalhando novamente com ficção científica?

Definitivamente sim, eu trabalharia em outro filme de ficção científica no futuro. Estou trabalhando no próximo filme agora – como escritor, não sei se esse filme vai sair no final, mas vamos cruzar os dedos. Não é exatamente ficção científica, mas é um filme de gênero. Este é um thriller sobrenatural. Então ainda é estranho para a animação francesa. Mas sim, eu realmente espero Marte Expresso abrirá as portas para que outras pessoas, outros diretores e outros roteiristas criem novos filmes de ficção científica na França, bem como filmes de qualquer gênero.

Marte Expresso disponível para aluguel ou compra na Amazon, Apple e Vudu.



Source link

Wisegamer

Related Posts

E ai? o que você achou...

Verified by MonsterInsights