'House of the Dragon' leva a rivalidade entre irmãos ao próximo nível

by Marcos Paulo Vilela


Existem poucas coisas mais aterrorizantes do que um menino rei. Na pior das hipóteses, são tiranos mesquinhos, cheios de impulsos e apetites, como Joffrey em A Guerra dos Tronos. Na melhor das hipóteses, são meras figuras de proa, fantoches manipulados por homens mais astutos do que ele, que sabem como manipular eficazmente as alavancas do poder e pouco se importam com o bem público. Casa do DragãoO Rei Aegon II (Tom Glynn-Carney) está em algum lugar entre esses dois: ele é autoconsciente o suficiente para parecer um rei bom e nobre, mas também, o que é mais importante, muito Adolescente. Ele quer sentir que tem poder, mas tudo o que consegue sentir é que outras pessoas o estão usando.

Isso não impediu Aegon de aproveitar as armadilhas da coroa. Ele adora ter seus amigos reunidos ao redor do Trono de Ferro para conversar, ir à taverna e pagar as contas de todos, e dar tarefas generosas na Guarda Real para amigos que provavelmente prefeririam fugir antes de pegar um cachorro perdido para ele. No episódio da semana passada, “The Burning Mill”, vemos que tipo de rei Aegon preferiria ser se não tivesse responsabilidades, farreando em um bordel e fazendo um espetáculo cruel de seu irmão Aemond (Ewan Mitchell).

No entanto, em A Dança dos Dragões, Aegon percebe que está distraído. Processado. A ação militar foi realizada sem a sua participação, e Aemond conhece o placar melhor do que ele. Em uma reunião do pequeno conselho, Aemond vira a mesa e faz Aegon se sentir insignificante ao demonstrar sua astúcia e domínio do Alto Valiriano em uma cena que deixa seu irmão real gaguejando impotente enquanto os outros conselheiros desviam o olhar sem jeito.

Foto: Ollie Upton/HBO

Ainda em Casa do DragãoNa segunda temporada, a guerra inevitável foi apresentada com a gravidade de uma tragédia iminente, as engrenagens do destino girando para esmagar os desejos e ambições de cada personagem sob sua máquina imparcial. No entanto, este programa é sobre pessoas em poder – um poder enorme e desenfreado, que tritura vidas inocentes para se preservar e melhorar a sua posição. E é assim que o poder se apresenta no seu pior: irmãos briguentos e conselheiros tortuosos condenando centenas de pessoas à morte para que possam vencer a sua rixa de sangue. (Embora eles ocupem significativamente menos tempo de tela, o contingente de Rhaenyra é igualmente propenso a brigas e pequenas tomadas de poder, enquanto seu pequeno conselho é pouco eficaz e Daemon parte para assumir o comando miserável de Harrenhold inundado.)

A Dança dos Dragões culmina na Batalha de Rook's Rest, quando as forças de Sor Criston Cole marcham sobre a fortaleza e Rhaenys e seu dragão ajudam a defendê-la. A luta de Rhaenys é um dos poucos momentos de graça e dignidade encontrados neste caso patético e, infelizmente, é o último. Entre a chegada inesperada de Aegon e seu dragão e a emboscada cuidadosamente planejada de Aemond no cume de Vhagar, Rhaenys fica sobrecarregado e um dos Casa do Dragãoa heroína mais íntegra encontra seu fim.

Mas este parece ser o caso do curto reinado de Aegon. A batalha termina com o destino do rei incerto quando Aemond segurou Vhagar, permitindo que Rhaenys despedaçasse seu irmão inexperiente antes de atacá-lo e matá-lo. Para os Verdes, esta vitória de Pirro simboliza a sua luta interna: Aegon ganhou a coroa através de uma conspiração de homens com visão, e agora esta conspiração foi interrompida. Na corte de Aegon não há amanhã, apenas hoje, com o poder dado a homens como Criston Kohl, que entendem apenas o conflito. Agora, um menino rei deve substituir outro – mas este é cheio de apetites e inteligente o suficiente para satisfazê-los. Westeros sofrerá por isso.



Source link

Wisegamer

Related Posts

E ai? o que você achou...

Verified by MonsterInsights