Rhaenys sempre foi um dos personagens mais importantes da Casa do Dragão.

by Marcos Paulo Vilela


(Nota do editor: Esta história contém spoilers Casa do Dragão Temporada 2, episódio 4.)

A Dança dos Dragões acaba de reivindicar o Targaryen mais poderoso. E não, não estamos falando de Aegon (Tom Glynn-Carney) – estamos falando da Princesa Rhaenys (Eve Best), de quem sentiremos muita falta após sua morte dolorosa e triunfante no episódio 4. Uma peça-chave no conselho de Rhaenys (Emma D'Arcy), Rhaenys caiu com o mesmo alto nível de graça, tenacidade e moralidade que manteve ao longo de seu tempo em Casa do Dragão.

E pelo menos teremos uma baita luta de dragão. Começamos na disputada área de Rook’s Rest, para onde Rhaenyra é enviada por Rainey para destruir o exército invasor de Criston Cole (Fabien Frankel). “Vamos lutar de novo, senhora”, diz Rainey ao embarcar em Melais em Dragonstone, e isso realmente toca o coração quando a dupla começa o que agora sabemos que será sua última jornada juntos.

Antes de morrer, Rhaenys dá um último grito enquanto espanca o bêbado e indesejado Aegon. Mas quando Aemond (Ewan Mitchell) chega a bordo do Vhagar, tudo acaba para todos eles. Aegon é o primeiro a cair. Vhagar então crava os dentes no pescoço de Melis. Melis se vira para encarar seu cavaleiro, avisando que a derrota está próxima, e Rhaenys simplesmente concorda. A jornada deles juntos acabou. Mas eles fizeram um ótimo trabalho juntos, não foi? À medida que os dois caem juntos no chão, a expressão de Rhaenys é menos de medo e derrota e mais de resignação pacífica e compreensão do que deve ser feito.

Embora a perda de Rhaenys possa ser trágica, sua morte é magnífica e poderosa. Na verdade, esta pode ser a melhor cena da segunda temporada até agora – pelo menos a princesa não morreu em vão. Quando o episódio termina, Criston espancado rasteja pela floresta próxima para encontrar Aemond agachado sobre seu irmão e Sunfire. Aegon é derrotado no meio do caminho. Tanto ele quanto Sunfire parecem estar mortos, morrendo ou feridos sem possibilidade de reparo. No geral: a morte de Rhaenys levou à maior vitória – ou guerra – do Team Black nesta temporada.

Mas isso não significa que não seja um grande obstáculo para Rhaenyra e seu conselho. É notório (ou melhor, infame) que Rainey nunca se sentou no Trono de Ferro, conhecido como a “Rainha que Nunca Existiu”. E, no entanto, Rhaeney foi quem sempre conseguiu liderar a partir da dinastia Targaryen, a voz calma e modesta da razão. Ela entendeu o valor da paz, como quando humildemente entregou o trono a seu primo mais novo, Viserys (Paddy Considine). Mas talvez o mais importante é que Rainey também sabia quando quebrar essa paz – como quando, no meio da primeira temporada, ela lutou com unhas e dentes para garantir que Driftmark cairia sobre ela se Corlys (Steve Toussaint) morresse. É a mesma energia para manter as mulheres em suas posições legítimas que foi um grande trunfo para Rhaenyra na segunda temporada.

Foto: Ollie Upton/HBO

Rhaenys (Yves Best) senta-se entre Rhaenyra (Emma D'Arcy) e um de seus conselheiros em uma reunião do pequeno conselho.

Foto: Ollie Upton/HBO

Em outras palavras, Rhaenys entendeu a importância de escolher suas batalhas. Esta é uma habilidade fundamental no meio da guerra: saber quais batalhas travar e quais evitar a todo custo. Em seu pequeno conselho, Rhaenys está cercada por homens que querem apertar botões e atacar o Time Verde em todas as oportunidades. Em qualquer impasse, Rhaenys daria uma rápida olhada em Rhaenys para obter algum tipo de selo não-verbal de desaprovação ou aprovação sobre como seguir em frente com a disputa Targaryen em andamento. Essa troca silenciosa aconteceu em quase todos os episódios da 2ª temporada até agora, incluindo a reunião final do conselho de Rhaenys, uma confirmação silenciosa de que sim, enviar Melis para a batalha é a melhor opção, por mais perigosa que seja.

Agora, a quem Rhaenyra recorrerá quando precisar de cabeça limpa? Para o Demônio? Até parece. Mas Rhaenyra definitivamente precisará encontrar outra força orientadora em sua vida sem Rainey. Talvez ela precise alcançar a próxima geração de mulheres de sua família – tanto pelo bem do Team Black quanto porque Casa do Dragão as personagens femininas devem continuar a ser vistas através de lentes feministas, como a série fez com Rhaenys.

Porque embora o show tenha ganhado uma cena de luta com um dragão matador, também perdeu um ícone feminista. O apoio leal de Rhaenys a Rhaenyra foi monumental na luta contra Aegon – certamente, quando a guerra começou, Rhaenys poderia ter ficado do lado do mesmo patriarcado que a impediu de se tornar rainha no lugar de Viserys. Se Rhaenys não podia ser rainha, por que ela estava tão inclinada a continuar lutando contra homens (e mulheres – olhando para você, Alicent!) que rejeitavam as mulheres Targaryen. Mas não, Rhaenys tomou o lado que parecia certo, defendendo sua moral e ajudando uma equipe que proporcionaria um futuro melhor para suas netas Rhaenys (Phoebe Campbell) e Baela (Bethany Antonia).

Honestamente, qualquer um que derrubar Aegon Targaryen se tornará um ícone no momento em que fizer isso – mas é ótimo que Rhaenys tenha deixado uma marca. Ela pode nunca ter sido uma rainha no sentido literal, mas num sentido mais simbólico da palavra ela sempre será. rainha Nos nossos corações. Ela lutou por um reino melhor e por suas mulheres e, ao fazê-lo, tornou-se uma verdadeira lenda Targaryen.



Source link

Wisegamer

Related Posts

E ai? o que você achou...

Verified by MonsterInsights