God of War Ragnarök PS5 Review-wisegamer

God of War Ragnarök PS5 Review-wisegamer

2022-11-12 0 Por Marcos Paulo Vilela

Review/Analise God of War Ragnarök Playstation 5.

Chamar o God of War de 2018 de sequência quase é um desserviço. Sim, foi uma continuação da jornada multijogo original de Kratos, mas colocou ele e uma nova família em um mundo estrangeiro para refletir sobre seu passado e tentar garantir seu futuro

A jornada de Kratos para se conectar com seu filho enquanto lutava contra uma nova legião de deuses desconfiados foi uma revelação tanto na narrativa quanto na ação dos videogames, estabelecendo um alto nível para a inevitável sequência. 

Ragnarök pode não ter o impacto único do jogo anterior, mas tudo o que funcionou tão bem na primeira vez vem à tona, junto com uma história que ganha a definição adequada do termo épico.

Ragnarök basicamente retoma exatamente onde o anterior parou em termos de narrativa. Atreus é um pouco mais velho e abandonou completamente o apelido de ‘menino’. Em uma tradição estabelecida no início da série God of War, o horário de funcionamento é estelar. 

  • AVALIADO NO PlayStation 5
  • TAMBÉM NO PlayStation 4
  • EDITORA PlayStation Studios
  • DESENVOLVEDOR Santa Monica Studio
  • Lançamento
  • CLASSIFICAÇÃO madura

God of War Ragnarök PS5 Review

A ação começa imediatamente, estabelecendo novos inimigos e velhos amigos, mas entre todas as peças explosivas estão momentos tranquilos de vitrine de performance cativante. As caracterizações do recém-chegado Odin e da mãe desprezada Freya são particularmente fantásticas, mas mesmo o desempenho mais fraco em Ragnarök torna o desempenho típico de videogame pálido em comparação.

A excelente escrita momento a momento supera o já fantástico diálogo do jogo de 2018. Ragnarök é, surpreendentemente, o God of War mais engraçado até hoje. 

Kratos é o homem mais estóico e hétero em todos os nove reinos e ele se cerca de anões vulgares, uma cabeça decapitada zombeteira, um adolescente às vezes confiante demais e muito mais. Eu ria muitas vezes quando Kratos dizia coisas como “Eu não preciso de um lanche”, quando Sindri lhe oferecia comida, ou quando ele compartilhava um grunhido de desprezo quando os personagens zombavam dele por apenas oferecer grunhidos de desprezo.

Tão importante quanto a história se tornou para esta nova era de God of War, o combate continua sendo um elemento igualmente importante. A coisa mais negativa a ser dita sobre lutar contra os vários inimigos dos nove reinos é que não é radicalmente diferente ou alterado do jogo anterior.

God of War Ragnarök PS5 Review

Você começa com mais armas desta vez, mas os combos principais são basicamente os mesmos. A biblioteca de ataques especiais que você pode realizar é maior, mas admito que encontrei meus favoritos no início e não fui particularmente compelido a experimentar.

Os tipos de inimigos que você luta, por outro lado, se expandiram bastante.

Os minichefes são numerosos e, quando se repetem, uma nova ruga é normalmente adicionada, ou é uma busca totalmente opcional.

O conteúdo opcional, que representa muito mais do que lutas contra chefes adicionais, compõe uma grande porcentagem de um jogo já enorme.

Além de missões secundárias para seguir ao lado do caminho principal, também há grandes áreas abertas para serem exploradas à vontade com cães de trenó que oferecem momentos valiosos de desenvolvimento de caráter e recompensas tangíveis. Em alguns casos, completei histórias paralelas com momentos grandes e importantes e só descobri que eram opcionais depois.

God of War Ragnarök PS5 Review

Ragnarök, apesar de seu cenário fantástico, apresenta um tom fundamentado graças às suas performances esplêndidas e personagens totalmente realizados, mas não tem medo de ser um videogame divertido. Os quebra-cabeças misturam habilmente o ritmo entre os encontros de combate, e fiquei constantemente impressionado com a forma como sempre parecia haver contexto da história para se envolver nas partes do videogame. 

Ao ignorar a tarefa principal de encontrar baús de tesouro, por exemplo, Atreus sempre demorava para explicar aos novos personagens que seu pai gosta de saquear. Apesar da urgência da história, Mimir frequentemente afirmava que podemos levar nosso tempo e explorar se quisermos. 

Esses pequenos momentos e pequenos diálogos mostram que a Sony Santa Monica entende completamente como seus jogadores querem interagir com seu jogo, e sempre fui grato por essa compreensão

Considerar o jogador a cada momento também se estende ao design de nível excepcional. Seja visitando novas versões de locais antigos ou reinos totalmente novos, cada área se envolve para revelar atalhos ou ignora a necessidade de retroceder.

God of War Ragnarök PS5 Review

As arenas de combate bem projetadas apresentam vários níveis para lutar e opções de ataque ambiental, como pegar uma pedra gigante para arremessar naquele lagarto particularmente irritante. Até a maneira como a câmera do jogador se move para sugerir baús opcionais ou provocar novos caminhos é impressionante e consistente. A direção dos jogadores é sempre considerada.

God of War Ragnarök se parece muito com God of War (2018), o que é um elogio, considerando o quão fantástico esse jogo é. A Sony Santa Monica estava certa em não quebrar o que não estava quebrado e habilmente continuou os tópicos da história que ficaram pendurados no jogo anterior. 

Quaisquer reclamações sobre a experiência geral (combate familiar, coleta e nivelamento de equipamentos não são particularmente interessantes) são rapidamente esquecidas em face da narrativa convincente, relacionamentos de personagens críveis e visuais e animações incríveis. 

Mesmo desde os primeiros dias do PlayStation 2, a série God of War sempre estabeleceu um padrão de alta qualidade para si mesma e, com poucas exceções, consegue saltar acima desse padrão. God of War Ragnarök não é diferente.

9,5

FONTE: gameinformer

ASSISTA A REVIEW DA IGN (PODE HAVER DISCREPANCIAS DE OPINIÃO NA ANÁLISE).