Hands On: MADiSON é um conto de terror Familiar!

2022-06-25 0 Por Marcos Paulo Vilela

Hands On: MADiSON é um conto de terror familiar!

Após o impacto monumental de jogos como Amnesia, Outlast e o maldito teaser de Silent Hills de Hideo Kojima, os fãs de terror testemunharam um ressurgimento do gênero depois que franquias como Resident Evil e Dead Space começaram a se inclinar para uma ação mais exagerada. 

Embora alguns fãs tenham se ofendido com o foco na vulnerabilidade e a distinta falta de qualquer armamento em muitos títulos de terror modernos, não há como negar sua eficácia em fazer você suar frio e pegar uma roupa íntima limpa.

MADISON é um jogo que se inclina muito para esse sentimento de vulnerabilidade e desamparo. Você joga como Luca, um protagonista aparentemente normal que acorda com as mãos cobertas de sangue. Com pouco contexto fornecido no início do jogo, é seu trabalho navegar por uma série de salas escuras e sombrias para chegar à raiz de sua situação.

A casa em si lembra muito jogos como PT e Layers of Fear, com estátuas e bustos estranhos escondidos em cantos sombrios, monitores CRT piscando no escuro e lâmpadas que nunca parecem poderosas o suficiente para iluminar seu caminho adequadamente.

Hands On: MADiSON é um conto de terror familiar!

É bom, então, que no início do jogo, você encontre um item que prova ser inestimável enquanto você trabalha pela casa: uma câmera polaroid bastante robusta. Embora pareça um pouco enigmático no início, a câmera possui várias funções que permitem resolver quebra-cabeças e iluminar seu caminho na escuridão, e faz maravilhas ao diferenciar MADiSON da onda de jogos de terror anteriores.

Você pode puxar a câmera em qualquer ponto do jogo e tirar uma foto rápida com um toque de ‘ZR’. Fazer isso vai realizar duas coisas. Primeiro, o flash da câmera iluminará temporariamente o ambiente, portanto, se você estiver em uma área particularmente escura, poderá ver o que está à sua frente por um breve momento. 

Embora o mecânico esteja lá para ajudá-lo, não há como negar que seu uso traz consigo uma onda de pavor; afinal, não há como saber o que esse flash pode revelar nas sombras.

Hands On: MADiSON é um conto de terror familiar!

Sua segunda função é um pouco mais “paranormal” por natureza; existem vários quebra-cabeças em MADiSON que podem confundi-lo completamente no início, mas tirar uma foto com a câmera às vezes revelará uma pista ou solução bem diante de seus olhos, seja na foto polaroid ou magicamente no próprio ambiente. 

Você também pode girar e inspecionar itens em busca de possíveis pistas; um tropo que muito presta homenagem aos clássicos jogos de terror de sobrevivência dos anos 90. Usar sua câmera extensivamente enquanto examina possíveis itens de interesse será crucial para o progresso do jogo.

Não vamos entrar muito nos inimigos reais que você encontrará em MADiSON; talvez seja melhor guardar essas coisas para quando você as experimentar por si mesmo. 

Escusado será dizer que o personagem titular MADiSON não é a única entidade que rasteja pela pele que você encontrará no jogo e, embora a experiência seja muito sustentada por momentos de silêncio ou pavor seguido de sustos – um tropo de terror usado em demasia tanto em jogos quanto em filmes, com certeza – a maneira como isso é tratado aqui é particularmente impressionante. 

Há muito poucos sustos imerecidos e seus encontros com os inimigos do jogo permanecerão como verdadeiros destaques de sua experiência.

Hands On: MADiSON é um conto de terror familiar!

Em termos de desempenho, o jogo roda muito bem na maior parte. Você não deve esperar uma taxa de quadros suave e sedosa com MADiSON dada a atenção especial aos visuais e iluminação, mas permanece consistentemente estável durante a maior parte do jogo. 

Como resultado, a resolução foi um pouco afetada, portanto, se você procura a experiência mais visualmente impressionante, talvez não a encontre com a versão do Switch.

Além disso, a compilação de visualização estava claramente sem configurações adicionais. No momento da escrita, as únicas opções disponíveis eram para áudio, então você não pode ajustar o brilho ou mexer nas configurações do controlador. 

O brilho, em particular, pode ser um pouco ruim para algumas pessoas puramente do ponto de vista da acessibilidade; o jogo é excepcionalmente escuro – propositalmente, lembre-se – mas aqueles que desejam aumentar um pouco o brilho não poderão fazê-lo até que um patch seja introduzido. Garantimos que opções adicionais estão sendo consideradas para um patch de primeiro dia.Hands On: MADiSON é um conto de terror familiar!

Além da câmera, MADiSON cobre muito terreno familiar. Mecanicamente, é provavelmente o mais próximo em design de Layers of Fear; você estará frequentemente segurando o gatilho direito e puxando o analógico direito para trás para abrir portas e gavetas, e navegar pela casa parece lento e metódico, mesmo quando você pressiona ‘L’ para correr. 

Durante nossas 5 horas ou mais com o jogo, no entanto, encontramos muito aqui para desfrutar, e achamos que se o jogo inteiro mantiver o mesmo nível de tensão e pavor que sentimos durante essas horas iniciais, ele será um dos melhores. experiência de terror de nível para o Switch.

fonte: https://www.nintendolife.com/