Hyrule Warriors: Age of Calamity Review Switch-wisegamer

Hyrule Warriors: Age of Calamity Review Switch-wisegamer

2022-08-06 0 Por Marcos Paulo Vilela

 🙂 Hyrule Warriors Game Nintendo Swicht (Review/Revisão).

The Legend of Zelda não é uma série que coloca a história na frente e no centro, mas a Nintendo nos fornece pedaços extraordinariamente grandes de caracterização em The Legend of Zelda: Breath of the Wild de 2017. Como Breath of the Wild gira em torno da destruição de Hyrule nos trotadores malignos de Calamity Ganon, faz sentido que o jogo tenha mais a dizer sobre seus acontecimentos.

A história de Breath of the Wild alimenta Hyrule Warriors: Age of Calamity, o mais recente jogo de musou para o Nintendo Switch da Omega Force e Koei Tecmo. Breath of the Wild é um jogo sobre fracasso e tentativa de consertar esse erro; Age of Calamity é sobre a luta para evitar o desastre antes que aconteça e examinar como tudo (inevitavelmente) dá errado. A jornada de Age of Calamity é divertida, gratificante e cheia de reviravoltas legais que às vezes ficam um pouco sombrias.

Age of Calamity se passa 100 anos antes dos eventos de Breath of the Wild. Sua história, que é distribuída entre os segmentos em que Link e seus companheiros guerreiros enviam onda após onda de inimigos para a morte, preenche algumas das lacunas de Breath of the Wild. 

Calamity Ganon está prestes a ressurgir novamente e, durante as primeiras horas de Age of Calamity, o Reino de Hyrule luta para fazer o que puder para impedir a ressurreição. 

A labuta Sheikah com tecnologia baseada em magia, a princesa Zelda sai em busca de campeões que podem pilotar as gigantescas Bestas Divinas, e todos ficam de olho no lendário cavaleiro que deveria ser capaz de empunhar a espada que sela a escuridão. (Pssst—é o Link.) Não é spoiler dizer que tudo acaba dando errado, mas isso não acontece.

Para os não iniciados, “musou” é um termo que descreve um jogo de ação pesada que gira em torno de derrubar inimigos às dezenas. 

Geralmente é aplicado aos jogos Dynasty Warrior da Koei Tecmo e seus spin-offs, por exemplo, Dragon Quest Heroes e Persona 5 Scramble. Os jogos Musou são projetados para aliviar o estresse, permitindo que os jogadores despachem ondas de inimigos com uma variedade de armas e ataques especiais exagerados.

A maioria dos fãs de Breath of the Wild não terá problemas em pular no Age of Calamity para a correção de Zelda – vai demorar um pouco até ouvirmos qualquer atualização sobre Breath of the Wild 2— mas jogos de musou não são necessariamente o copo de poção vermelha de todos porque tendem a ficar repetitivos.

Os principais jogos 3D Zelda reconhecidamente compartilham algum DNA com títulos musou, pois ambos envolvem muita jogabilidade baseada em ação ( o primeiro jogo Hyrule Warriors não teve problemas para encontrar uma audiência), mas o sistema de batalha de Age of Calamity é necessariamente mais superficial do que o de Breath of the Wild. 

Hyrule Warriors: Age of Calamity Review Switch

Entre outras coisas, Breath of the Wild é famoso por seu mecanismo de física complexa, que permite aos jogadores fazer acrobacias malucas com a runa Magnesis Sheikah. Como você pode esperar, essas mortes loucas baseadas em física estão fora de questão em Age of Calamity. 

A runa Magnesis entra em jogo com frequência, já que Link e sua comitiva podem usá-la para parar inimigos furiosos e bater neles enquanto estão congelados, mas os inimigos não voam para o horizonte quando Magnesis desaparece. Eles simplesmente cambaleiam, o que dá a Link (ou a um de seus muitos amigos guerreiros) a chance de pular e cortar pedaços de suas defesas.

Isso não quer dizer que Age of Calamity tenha um sistema de batalha ruim, apenas diferente da mecânica que impulsiona as lutas de Breath of the Wild – e tenha certeza, é puro musou. Isso significa principalmente limpar mapas que estão invadidos por soldados de infantaria sem cérebro e os monstros maiores e mais desagradáveis ​​que os controlam. 

Cada mapa tem um objetivo principal que precisa ser concluído. Alguns são tão fáceis quanto abrir caminho para alguém que precisa de uma escolta segura. Outros são longas distâncias que colocam você contra as feras mais desagradáveis ​​de Age of Calamity, como Hinoxes e Lynels.

Hyrule Warriors: Age of Calamity Review Switch

Link tem uma grande lista de amigos que podem se juntar a ele na maioria das missões (e de acordo com os primeiros Hyrule Warriors, ele às vezes recruta companhia inesperada), mas eu prefiro ficar com Link sempre que posso. 

Ele pode empunhar várias armas, mas sua espada faz o trabalho muito bem, especialmente quando ele atualiza para a Master Sword. O botão Y executa um ataque leve, que pode ser alterado com os ataques mais fortes do botão X, depois completado com um movimento especial do botão ZR. 

Quando encontro mobs como Link, eu corto na horda com alguns toques em Y, sigo com o ataque giratório do botão X e às vezes bato em ZR para disparar uma saraivada de flechas em Bokoblins no ar enquanto eles caem de volta à terra. É divertido como o inferno. (“Pare! Pare! Eles já estão mortos!”)

Já disse no passado que não sou o maior fã de musou do mundo, mas não posso negar a simples emoção de conduzir meus inimigos diante de mim e ouvir os lamentos de suas mulheres. Também é mais profundo do que parece. 

Diminuir o medidor de escudo de um inimigo forte oferece uma chance de atacar com um “ataque de ponto fraco”, o que é fácil quando o chefe de um posto avançado invadido é um Moblin de baixo nível. 

As apostas se tornam muito mais terríveis quando Lynels começa a emprestar sua força imensurável à luta de Ganon. Link e seus amigos devem ajustar seus padrões de ataque de acordo e fazer uso de itens como varinhas Wizzrobe, que podem interromper um ataque implacável queimando, congelando ou eletrificando seus alvos.

Eles também precisam aproveitar os inúmeros recursos espalhados no mapa de Hyrule. Infelizmente, não há oportunidade de andar livremente pelos campos rolantes do reino, mas colocar o cursor sobre qualquer um dos ícones do mapa revelará um pedido ou um desafio que rende recompensas. 

Existem dezenas de missões de batalha menores que podem ser concluídas fora da história principal, que rendem materiais como alimentos, minerais e rúpias. Os despojos das batalhas de Link podem ser usados ​​para atender aos pedidos dos cidadãos, o que desbloqueia novos movimentos e atualizações para Link e seu amigo. 

Esses pedidos são explicados através de trechos de texto bastante detalhados e aproximam os jogadores um pouco da população de Hyrule. Link pode fornecer os ingredientes que um mercador com saudades de casa precisa para imitar um prato que sua mãe fez, ou ele pode comprar os itens que um aspirante a lojista precisa para abrir uma nova barraca (que Link pode comprar itens, corantes e muito mais). 

É decepcionante que não haja como viajar para Hyrule e falar com esses personagens cara a cara, mas Age of Calamity faz um bom trabalho dando vida à estática em todo o país com suas pequenas histórias.

Hyrule Warriors: Age of Calamity Review Switch

Na verdade, imagino que são esses exemplos de construção de mundo e narrativa que atrairão os fãs de Breath of the Wild para Age of Calamity. Fique tranquilo, existem cutscenes bem renderizadas que mantêm os eventos do jogo rolando e despertando sua curiosidade sobre o que vem a seguir. 

A maioria dos interlúdios da história em Age of Calamity apresentam dublagem completa, e há uma opção japonesa para quem quiser. Eu recomendo dar outra chance às vozes inglesas. Eles foram medíocres em Breath of the Wild, mas os atores claramente se aprofundaram em seus papéis em Age of Calamity. 

Mesmo manso e sem fôlego, Zelda soa mais forte e confiante desta vez, embora a dubladora Patricia Summersett ainda pareça estar tentando encontrar seu caminho com o papel. Do outro lado, Mestre Kohga, o líder barrigudo do mortal clã Yiga, é um motim. Sua performance e travessuras me fizeram rir alto mais de uma vez.

Age of Calamity é um ótimo musou, mas ainda é um musou. Para quem está em dúvida sobre o gênero, ou seja, eu mesmo, a seleção criativa de personagens de Age of Calamity, história forte e inúmeras tarefas para os cidadãos de Hyrule realmente une a profunda satisfação de despachar chefes e seus mobs fervilhantes.

Dito isto, Age of Calamity ainda carrega alguns dos problemas associados ao gênero. As taxas de quadros tendem a cair como rochas durante batalhas acaloradas, e o sistema de travamento do inimigo não oferece nada além de clipping e caos de perto quando Link é encurralado em um canto. 

Como Breath of the Wild, Age of Calamity é muito bonito em sua maneira distinta, mas é difícil ignorar o ocasional chug-a-lug que se aproxima, especialmente com as missões (de outra forma legais) que envolvem pilotar os Guardiões do tamanho de kaiju bestas divinas e pisando em inimigos às centenas.

Hyrule Warriors: Age of Calamity Review Switch

Talvez toda a conversa sobre novos consoles e suas taxas de quadros empolgantes tenha manchado minha perspectiva, ou talvez o Switch esteja mostrando sua idade e um Age of Calamity mais rápido e elegante será uma menção notável sempre que o lendário Switch Pro.

Claramente, levará algum tempo até que possamos jogar a continuação real de The Legend of Zelda: Breath of the Wild, mas Age of Calamity é um paliativo suculento que é satisfatório para cavar. jogo em torno de um conto convincente. Certamente existem maneiras piores de desabafar meses de frustração reprimida em 2020.