The Last Guardian PS4 Review/Analise-wisegamer

The Last Guardian PS4 Review/Analise-wisegamer

2022-10-29 0 Por Marcos Paulo Vilela

Review de The Last Guardian PS4  

🙂 The Last Guardian é o terceiro jogo, há muito adiado, da Team Ico da Sony. Revelado originalmente em forma de trailer na E3 2009, o jogo sofreu atrasos substanciais, mas foi reintroduzido na E3 2015.

 The Last Guardian conta a história de um menino e seu gigantesco companheiro de cão-pássaro-rato, Trico. A história começa com ambos acordando em uma caverna, sem saber exatamente como chegaram lá. O que é imediatamente óbvio, no entanto, é que Trico não é muito amigável.

Acorrentado, Trico é inicialmente agressivo com o garoto coberto de tatuagens – seu nome é desconhecido ao longo da história – mas depois que o garoto encontra alimento para a criatura em alguns barris brilhantes, Trico suaviza sua postura. Isso é uma coisa boa, porque o menino e a fera confiarão um no outro durante toda a jornada envolvente.

Em termos de jogabilidade, The Last Guardian funciona muito como uma mistura dos esforços anteriores do desenvolvedor. 

Você, como o menino, pode escalar Trico como montar monstros em Shadow of the Colossus, enquanto o senso de trabalho em equipe e comunicação não verbal é uma reminiscência de Ico. 

Como o menino, você deve escalar, rastejar e pular por este mundo, encontrando alavancas para puxar para abrir portas e guiar vocês dois pelo labirinto. 

The Last Guardian PS4 Review/Analise

A fórmula de 15 anos teve alguns ajustes, embora não tanto quanto você poderia esperar, e isso geralmente leva às maiores falhas de The Last Guardian.

A maior parte da jogabilidade depende da comunicação entre o menino e Trico. Nenhum dos dois compartilham uma linguagem comum e, portanto, devem gesticular um para o outro na esperança de que a mensagem seja transmitida. 

Não demorará muito para que você tenha a capacidade de dirigir Trico usando todas as ações que o garoto pode fazer – coisas básicas como mover aqui, pular lá, empurrar isso, mas todas essenciais para a progressão – e às vezes a incapacidade para o criatura gigante para fazer o que você quer vai levar a uma imensa frustração.

Houve muitas vezes no jogo em que eu gritei e implorei para que ele fizesse a coisa necessária para eu prosseguir, mas Trico simplesmente olhava com curiosidade e depois virava na direção oposta. 

A questão é que, tematicamente, isso faz sentido: Trico está aprendendo tanto quanto você, embora em um ritmo mais lento, então é claro que ele pode não entender o que está acontecendo. Mecanicamente, no entanto, pode ser uma bagunça. (Nota do editor: Brett terá um choque quando seu bebê nascer, hein?)

The Last Guardian PS4 Review/Analise
A frustração está em saber a resposta do quebra-cabeça, mas o jogo não permite que você o resolva, seja por meio de um bug ou de um simples design ruim. Por exemplo, em uma sala Trico foi obrigado a passar por uma determinada porta que estava parcialmente obstruída. 

Eu ordenei que ele passasse depois de abrir o caminho, apenas para Trico chegar até a porta e depois fugir, como se houvesse alguma barreira invisível bloqueando seu caminho. 30 minutos passados ​​com dezenas de tentativas fracassadas, mas depois de reiniciar o jogo, Trico fez o que eu estava tentando desde a primeira tentativa.

Também não ajuda que os controles sejam tão complicados quanto no PS2. Mover o garoto por este mundo é complicado e complicado, com a mecânica de plataforma punindo a falta de precisão. 

A câmera também pode ser chocante. Quando pego em um canto ou em um cenário, a tela fica completamente preta antes de mostrar uma perspectiva diferente do que você estava olhando, desorientando-o totalmente.

A falha da mecânica central me levou a questionar constantemente cada enigma, estragando a experiência. Em vez de aproveitar o relacionamento entre Trico e o garoto enquanto eles resolviam quebra-cabeças através de seu vínculo aprimorado e desenvolvendo sua própria linguagem, eu estava me perguntando se uma falha de jogabilidade ou um comando falho estava atrapalhando a progressão. 

Poucas vezes eu não sabia como resolver o quebra-cabeça, mas muitas vezes o jogo não me deixou executar a solução. 

Essa inconsistência é ainda mais decepcionante porque, quando funciona, The Last Guardian é impressionante.

The Last Guardian PS4 Review/Analise

Ver Trico e o menino construir confiança aos poucos é uma verdadeira alegria. 

O jogo leva seu tempo para construir o relacionamento e é ainda mais forte por isso. Não me disseram para comprar esses personagens, mas gradualmente me tornei cada vez mais engajado por esse vínculo crível – quase como um filme da Disney onde eu me importo mais com o personagem não humano, o que é sempre estranho. Como jogador, sinto essa conexão se fortalecendo a cada momento de perigo.

No início do jogo eu simplesmente só me importava que Trico levasse o garoto de A para B. Os momentos em que Trico “quase” cai de uma das torres astecas não me deixaram preocupado.

No entanto, na metade do caminho, eu engasgava toda vez que Trico estava em perigo durante as incríveis jogadas de bola parada. Eu acariciava Trico com frequência, embora não houvesse nenhum benefício tangível em fazê-lo. The Last Guardian faz um trabalho incrível de fazer você se importar.

Além disso, os recursos de Trico suavizam ao longo do jogo, tornando-o cada vez mais adorável a cada hora que passa. No início, os olhos de Trico podem piscar em branco e roxo – você descobre mais tarde que isso corresponde a coisas diferentes dentro do jogo, por exemplo, Trico quer comida ou está no modo ‘ataque’. 

The Last Guardian PS4 Review/Analise

Eventualmente, você consegue ver Trico pelo que é: uma criatura assustada se tornando incrivelmente apegada à criança que salvou, e quem a salvou, em uma terra estranha.

À medida que a história descolava suas camadas, ela só me fisgou mais. É um grande conto habilmente contado. Não é o mais profundo, mas é cativante, e sua capacidade de dizer tanto falando tão pouco me cativou ainda mais. É uma pena que eu tive que me atrapalhar com mecânicas inconsistentes para ver a narrativa.

Conclusão

Sim, os controles de The Last Guardian são incrivelmente arcaicos e às vezes podem ser totalmente quebrados, mas dois dias depois de finalizar o game, a história ficou comigo. O Studio Japan continuou a mostrar como pode fazer tanto enquanto fala tão pouco. O ambiente, os personagens e tudo sobre a narrativa me cativaram. Apesar dos controles, eu ainda gostei bastante do jogo em geral. A história é simples, mas poderosa.

fonte: https://www.trustedreviews.com/

Aguente a jogabilidade e aproveite a história – vale a pena.

The Last Guardian PS4 Review/Analise